Isso vai acabar em pizza

Você já pensou em como a expressão “Isso vai acabar em pizza” acabou virando algo negativo? Pode isso, Arnaldo??? 8-(

Se você é como a gente e ama uma redonda, deve ficar indignado quando alguém usa a expressão “acabar em pizza” para ilustrar uma coisa ruim, um final infeliz, algo que não deveria ser daquele jeito… em especial, quando falamos de política.

Como estamos nos aproximando de um momento importante para o Brasil, quando elegeremos nossos próximos governantes (e, falando nisso #EleNão), o Blog da Pizza traz para você a origem desta expressão, que já faz parte da nossa cultura.

Milton Peruzzi, o pai da expressão

Depois de “muita apuração jornalística”, descobrimos que o pai da expressão foi o jornalista Milton Peruzzi, conhecido por ter comandado o Mesa Redonda Futebol é com 11, da TV Gazeta, o mais longevo programa de debate esportivo, que estreiou em março de 1970 e por onde passaram jornalistas importantes como Galvão Bueno, Roberto Avallone, Milton Neves, Mauro Beting, Flávio Prado e, é claro, Milton Peruzzi.

Mesa Redonda na década de 70, com Milton Peruzzi
Integrantes do Programa Mesa Redonda em 7 de novembro de 1974. Na foto: Galvão Bueno (2º da esquerda para a direita), José Silveira (3º), Roberto Petri (4º), Zé Italiano (5º) e Milton Peruzzi (6º). Foto: Acervo Gazeta Press

Antes de comandar o programa, Peruzzi foi setorista do jornal A Gazeta Esportista e cobria, diariamente, os acontecimentos do seu Palmeiras (que até hoje, não tem mundial! 8-P ), na década de 1960.

O ano era 1964 (ou 1965) e, como não podia ser diferente, foi uma época de muita agitação política e crise institucional, também, na SE Palmeiras.

(Será que era porque seu presidente, Delfino Facchina, já estava há cinco anos no poder – e ainda ficaria por mais seis anos, totalizando um período de onze anos na presidência)? Os palmeirenses que me digam…)

Mas, fato é que Peruzzi foi cobrir uma reunião do COF – Conselho de Orientação e Fiscalização, em que seriam debatidos problemas relativos ao espaço do clube e ao Parque Antártica. Era uma época de grande oposição e, depois de muito tempo (dizem que a reunião durou 14h, o que não faz muito sentido, já que ela terminou às 23h30, ou seja, teria começado às 9h da manhã?), algo aconteceu… Mas, melhor do que a gente contar, ouça a história na voz do próprio Peruzzi, em uma entrevista que ele deu ao Milton Neves, em 1997:

Ou seja, a manchete “Bomba no Palmeiras acaba em pizza“, da Gazeta Esportiva, foi a origem da expressão que tinha um sentido positivo: depois de muita briga, os cartolas fizeram as pazes e foram comemorar na Pizzaria Castelões (que, em breve, terá uma postagem exclusiva).

A ligação da pizzaria com o Palmeiras é muito forte, já que entre seus fundadores estava Carmine Eugênio Donato, um dos fundadores do Palestra Itália e que era casado com Dona Ida, irmã de Ettore Siniscalchi, fundador da pizzaria.

Mas, então, quando a expressão se tornou sinônimo de um final infeliz?

Ah… Essa é outra história que vamos contar agora. Temos que voltar no tempo, para uma época triste do nosso país…

Do céu ao inferno: a deturpação da expressão Isso vai Acabar em Pizza

O ano era 1992, e o Brasil vivia um momento de turbulência, com um processo de impeachment do presidente Fernando Collor, que se deu por meio de uma CPI – Comissão Parlamentar de Inquérito, criada para verificar as denúncias do Esquema PC Farias.

Entre muitos depoimentos, um deles foi da sra. Sandra Fernandes Oliveira, secretária de Alcides Diniz, irmão de Abílio Diniz, fundador do Pão de Açúcar e que foi citado na CPI. Ouça a explicação do que aconteceu, na voz do deputado Miro Teixeira (REDE):

Agora você conhece a origem da expressão Acabar em Pizza. Que tal criarmos uma campanha para retornarmos às origens “do bem” e ressignificarmos o terminar em pizza para um final feliz? #ficaadica

O crédito da pizza em destaque é de um site muito legal, o Juntando as Panelas. A crítica deles sobre a Pizzaria Castelões é super bacana. Vale a visita!

Que tal compartilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *